O Evento

Fim de semana também é momento para se pensar e produzir inovação tecnológica em saúde. O primeiro Hackathon em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) começou na manhã deste sábado (26/11) e só terminou no fim da tarde de domingo (27). Promovido pelo Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz), o evento técnico-científico consistiu na reunião de equipes de programadores que competiram para o desenvolvimento de soluções tecnológicas baseadas em temas propostos pela organização.

 

O desafio proposto pelo Hackathon em Saúde gerou aplicativos móveis – em formato app ou game – para seis iniciativas institucionais: Rede Global de Bancos de Leite Humano; Monitoramento e controle de vetores; NBCAL; Circuito Saudável; Acesso Aberto e Museu da Vida. Foram sessenta participantes dos mais diversos perfis: estudantes e profissionais das áreas de design, programação, desenvolvimento, gestão de pessoas e saúde, divididos em 13 equipe.

 

As boas-vindas aos participantes foram feitas pelo presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, e o diretor do Icict, Umberto Trigueiros, que destacou os desafios para organizar um evento desse porte, que já existe na área das ciências tecnológicas, mas é bastante novo no campo da saúde. “Nossa missão é trabalhar a questão da saúde de todas as maneiras, das mais complexas nas bancadas laboratoriais, até no campo da informação. E vocês podem nos ajudar muito nisso”, avisou.

 

O presidente Paulo Gadelha exaltou a iniciativa, ressaltando a característica inovadora da Fiocruz. “A nossa maneira de pensar é manter sempre muita curiosidade e capacidade de perceber o novo e estar se reinventando. A Fiocruz tem muito a ganhar com essa experiência”, apontou. Gadelha falou ainda sobre a importância da interface entre a saúde e a tecnologia, citando exemplos dessa interação, como a engenharia genética e a nanotecnologia.

 

Antes do início da competição, Gadelha garantiu a intenção de realizar novas edições do evento nos próximos anos. “Esse vai ser o primeiro de muitos Hackathons. Para a Fiocruz, é muito legal vocês estarem aqui. Vocês estão acostumados com esse ambiente, mas para nós, estão inaugurando um momento novo nessa instituição e com certeza temos muito a aprender com vocês”, encerrou.

 

Sorteio dos temas

Foto: Érika Gouveia/VideoSaúde

Os desafios foram apresentados por seus respectivos responsáveis, que forneceram um panorama geral sobre cada tema e listaram objetivos e recomendações aos participantes. Jonas Borges apresentou as demandas do Banco de Leite Humano e sugeriu um app para melhorar a interação entre o banco e as doadoras. Héliton Barros expôs o desafio do Museu da Vida, na forma de um game que incentive as pessoas a visitarem as atrações culturais da Fiocruz no Campus, em Manguinhos. Cristiano Boccolini apresentou a questão da Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactentes e Crianças de 1ª Infância (NBCAL) e como o pode auxiliar na fiscalização de irregularidades, focando no comércio e publicidade dos alimentos.

 

No segundo bloco de apresentações, Wanessa Natividade apesentou dados que evidenciam os problemas de obesidade que o Brasil tem vivenciado, inclusive entre jovens, e trouxe a proposta de um game para uma iniciativa institucional da Fiocruz, que é o Circuito Saudável, capaz de gerar consciência para a educação nutricional. Ana Maranhão abordou a importância de ampliar o acesso à publicações científicas e os desafios de tal prática, propondo também um game que desperte essa consciência em pesquisadores e demais atores da academia. Por fim, Marcelo Gomes apresentou problemas decorrentes da falta de controle de vetores para doenças, como o Aedes aegypti, e defendeu um app capaz de auxiliar no reconhecimento, monitoramento e controle de vetores.

 

Após a apresentação, o representante da IBM Felipe Dornelas apresentou a tecnologia do bluemix, que auxiliou os desenvolvedores com ferramentas de computação em nuvem e algoritmos. As equipes sortearem os temas que trabalhariam em cada modalidade, totalizando oito equipes para games e seis para app. Após as definições, por volta de meio-dia, os grupos se organizaram, receberam os briefings das equipes responsáveis pelos desafios e iniciaram a maratona de 25 horas, de programação.

 

Desafio do Museu da Vida agitou atrações culturais

Foto: Érika Gouveia/VideoSaúde

As equipes que ficaram com o desafio de desenvolvimento de game para o Museu da Vida – Mana, Chroma e So+Vt (sovete) – deram um passeio de trenzinho pelo Campus, para que pudessem conhecer as instalações e atividades. O tour começou pela Estação do Trenzinho, onde visualizaram a maquete da instituição. O roteiro incluiu também o Castelo, a Tenda da Ciência em Cena e o Borboletário.

 

Gabriel Paulino, 22 anos, estudante de Análise de Desenvolvimento de Sistemas e Jogos que integrou a equipe Mana, aprovou a atividade. “Só olhando daqui não dava para ter dimensão exata de tudo que tem aqui no Campus”. “Somos o último grande aparelho cultural da Zona Norte, então temos grande responsabilidade e nosso objetivo é motivar as pessoas a visitarem esse espaço que é incrível”, ressaltou Héliton Barros, da equipe do museu.

 

Criatividade, empenho e tecnologia. Essa combinação foi a receita utilizada pelas seis equipes vencedoras do Hackathon 2016 para encontrar as soluções para os desafios propostos. Após a maratona de 24 horas ininterruptas de desenvolvimento, as 12 equipes concorrentes apresentaram seus protótipos a partir das 14 horas do domingo, 27 de novembro. Cada uma teve cinco minutos para apresentar e demonstrar o diferencial de suas soluções.

 

As propostas foram analisadas por uma comissão julgadora formada por 25 pessoas, externas à Fiocruz, de diferentes áreas técnicas. Os jurados receberam uma ficha de avaliação com pontuação de 0 a 2 cada um dos seguintes itens: criatividade; aplicabilidade da solução em relação ao tema proposto; execução da apresentação; design; disruptividade da inovação; e, por fim, viabilidade de execução real da solução apresentada. Os resultados foram somados e divulgados no final da tarde.

 

Confira as equipes vencedoras e os protótipos apresentados:

 

 

Modilidade Games

 

 

NBCAL-Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactentes e Crianças de 1ª Infância, Bicos, Chupetas e Mamadeiras

Desafio: Museu da Vida

Os integrantes da equipe Croma conseguiram transformar o encantamento que tiveram ao conhecer o Museu da Vida no game “Muvi”. O jogo foi planejado para conter seis minigames, sendo dois já disponíveis no protótipo (do borboletário e do controle do transmissor da Doença de Chagas).  Além disso, o jogo reúne informações, como os espetáculos em cartaz na Tenda da Ciência, e é integrado ao Facebook, possibilitando que o usuário “dispute” com os amigos quem tem mais pontos no ranking. Quem visitar os locais indicados, ganha ponto extra.

 

 

 

Circuito Saudável

Desafio: Circuito Saudável

Os integrantes da Equipe Incomum destacaram que fizeram questão de entender todo o processo. E deu certo. A equipe apresentou o aplicativo “Circuito Saudável”, pensado tanto para um usuário geral quanto para a comunidade interna da Fiocruz (cujos dados poderiam servir para melhorar as políticas de acordo com cada unidade). O app contém três áreas principais: o circuito saudável, contendo o boletim da nutrição e receitas balanceadas; dicas, com informações sobre como se alongar, o guia alimentar do Ministério da Saúde, e ainda um “Pac Man Saudável”, jogo cuja missão é manter uma alimentação adequada, acumulando pontos ao ingerir alimentos in natura e perdendo ao preferir os ultraprocessados. Além disso, o protótipo oferece lembrete para que o usuário não esqueça de beber água ao longo dia ou realizar alongamentos diariamente.

 

 

 

Monitoramento e Controle de Vetores

Desafio: Acesso Aberto ao Conhecimento

Os integrantes da equipe Vale venceram o desafio do Acesso Aberto com o jogo “Céu Aberto”. Desenvolvidos para celulares, o jogo conta a história de um avião com artigos científicos que foi atacado por uma “publisher malvada”, despejando os papers das alturas. O jogador deve encarnar então o Pedro Gabriel, um robô de última tecnologia que deve buscá-los antes que atinjam o mar. O único modo de perder jogo (e ganhar o Acess Over) é levando os artigos coletados a uma editora de revista científica de acesso pago.

 

 

 

Modilidade Apps

 

 

 

NBCAL-Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactentes e Crianças de 1ª Infância, Bicos, Chupetas e Mamadeiras

Desafio: NBCAL-Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactentes e Crianças de 1ª Infância

A equipe Holograma desenvolveu um aplicativo que permite que o usuário faça denúncia caso um determinado estabelecimento esteja infringindo as normas da NBCAL. Além da própria denúncia, que pode ser anônima, o app prevê um sistema de dupla verificação nele mesmo: por meio de perguntas direcionadas ao usuário antes de postar a denúncia, e por meio da análise da foto a ser enviada pelo mesmo. A imagem é analisada por meio de uma funcionalidade fornecida pela IBM, parceira do evento, e o usuário é informado sobre a probabilidade daquele item estar descumprindo a Norma. Por fim, o aplicativo fornece um mapa de alerta, classifica os usuários cadastrados em um ranking de acordo com as denúncias cadastradas e ainda prevê um chat para tirar dúvidas.

 

 

 

Monitoramento e Controle de Vetores

Desafio: Monitoramento e Controle de Vetores

Embora concorrendo sozinha, devido à desistência da outra equipe sorteada, a NullCoffeeException foi avaliada, assegurando a nota para receber a premiação. O aplicativo desenvolvido oferece a possibilidade de o usuário fazer denúncia sobre a existência de criadouros do vetor, capturando a localização e comentários sobre o local. Por fim, o app prevê a criação de mapas de calor, indicando quais são os locais com maior número de denúncias. Os desenvolvedores destacaram a possibilidade do aplicativo ser utilizado para controle de outros vetores além do Aedes aegypti.

 

 

 

Rede Global de Bancos de Leite Humano

Desafio: Rede Global de Bancos de Leite Humano

A solução encontrada pelos integrantes da equipe Essa foi apresentada no app “Leite sobre Rodas”.  O protótipo buscou melhorar o trabalho dos condutores dos frascos de doação de leite humano,  otimizando rotas, evitando áreas de riscos e facilitando a comunicação com a doadora. Para otimizar a rota, o Banco de Leite Humano alimenta o sistema e uma rota entre as casas das doadoras é fornecida ao condutor, levando em consideração a validade de seis horas do leite humano transportado. As áreas de risco são alimentadas com cruzamento de informações com banco de dados de outros aplicativos sobre violência, como o Fogo Cruzado, e são consideradas também na hora de gerar a rota. E, por fim, o condutor tem acesso direto ao Whatsapp da doadora, com quem poderá conversar, estabelecendo ponto de encontro e informando contratempos. Uma vez na residência, o condutor pode tirar fotos e registrar a temperatura e quantidade de frascos coletados. A doadora também conta com um login no app. Para ela, é possível verificar como fazer a ordenha manual do leite humano e registrar a urgência na retirada dos frascos para doação – diante de uma viagem, por exemplo.

 

 

Premiação

Além do troféu de cada desafio, os primeiros colocados participarão da Campus Party 2017, em São Paulo, com despesas de alimentação,
passagens e acomodação, além um curso de desenvolvimento por meio da plataforma Scrum Half, curso presencial e à distância em Data Science e
Big Data Analytics; mentoria técnica sobre o IBM Bluemix ou de negócios, com especialistas IBM e um convite para participação no programa
para startups da IBM, que oferece um ano em serviços IBM na nuvem, desde que se cumpram os requisitos estabelecidos.

 

Matéria na Globonews

Premiação

Campus PartyInscrição, deslocamento e alimentação para o Campus Party em 2017 em São Paulo
ScrumhalfCurso de desenvolvimento Ágil de softwares por meio da plataforma Scrum Half 
Academic AllianceCurso presencial e a distância em Data Science e Big Data Analytics 
IBM BluemixMentoria técnica sobre o IBM Bluemix ou de negócios, com especialistas IBM, para os grupos vencedores do Hackathon em Saúde.
Convite para participação no programa para startups da IBM que oferece até R$ 2.000,00 mensais por 1 ano em serviços IBM na nuvem (*)

 

*A participação está sujeita às regras do programa, disponíveis em https://developer.ibm.com/startups/

 

Todos os participantes selecionados para o Hackathon em Saúde serão convidados a participar de capacitação gratuita na plataforma IBM Bluemix.

A capacitação, em formato de webcast (curso virtual), será oferecida na primeira quinzena de novembro, antes do evento.

Candidatos Selecionados

Veja o regulamento aqui.

Modilidade Apps
  Nome
1 Adalberto Caldeira Brant Filho
2 Ana Carolina das neves silva da hora
3 Ana Carolina Oliveira Coscarella
4 Ana Maria Romero Villegas
5 anderson christian dos santos
6 ANDERSON PEREIRA MONTEIRO
7 Arthur de Souza Stuart
8 Bruno Correia Scarpellini
9 Cafer Catarine da Cruz Pinto
10 camila santos e silva
11 Daniel Souza Rechtman
12 Davi Faisca Duarte
13 davyd darlan gomes de oliveira
14 Deleon Mesquita Simoni
15 Delermando dos Santos Miranda
16 Denis Miranda Manzetti
17 Douglas Araujo Silva
18 Elizabeth Natividade Marinho
19 Fábio Gomes dos Santos
20 Fagner de Freitas Alves
21 Felipe Lugão Eccard
22 Felipe Nobrega Vianna Batista
23 Fellipe Pinheiro
24 Gabriel Martins Della Fávera
25 GABRIEL MINA DA SILVA
26 Gabriel Vargas Cunha
27 Gilvan Praxedes de Almeida
28 Gustavo André Fontes Lopes
29 Gustavo Jasponde Calonico
30 Igor Belchior Ferreira
31 Jhonny Alexander Mosquera
32 João Guilherme Braga dos Santos Silva
33 José Carlos Martins Caldas
34 kaique da silva alves durce
35 Leonardo Foti
36 Leonardo Teixeira Menezes
37 Luan de Sena Barbosa
38 Lucas Roberto Corrêa
39 Marcela Cintia da Silva
40 Marcelo Arthur Brandao dos Santos
41 Mario Soares de Oliveira
42 Matheus Balduino Chagas
43 Matheus Freire Rabelo
44 Meyrele Torres Nascimento
45 Michael Guedes da Silva
46 Nathan Filipe de Araujo Ribeiro
47 olnei fonseca
48 Orleans Claus dos Santos
49 Pablo Luciano Tavares de Oliveira
50 Paulo Cesar Galhardo Sant'Anna
51 Robson Santos Alves calixto
52 Rodrigo Magalhães Rodovalho
53 Rômulo Eduardo Garcia Moraes
54 Sergio Alexandre Fragozo Pereira
55 silvia ferber pereira coelho
56 Thamara Guimarães
57 Thiago Marçal Passos
58 Thiago Marques Torres
59 Thiago Nogueira Justo
60 Victor Carlos da Silva
61 Vinicius Natan Silva e Souza
62 Vitor de Lima Oliveira Fonseca
Modilidade Games
  Nome
1 Alberto de Assumpção Neto
2 alex v salgado
3 Altamir de oliveira Cruz Neto
4 Anderson Ferreira Da Silva
5 Carlos Eduardo Farias Ribeiro
6 Carolina Chaves Bianco Maia
7 Caroline Gonzaga
8 Danilo Nunes
9 Felipe Barreto Vimieiro Barbosa
10 Felipe Henrique Fernandes
11 Gabriel Castro Madeira
12 Gabriel Da Silva Paulino
13 Gabriel de Moraes Leal
14 Gabriel Lucas Foleiss
15 Guilherme Fernandes Souza da Paixão
16 Guilherme Ramalho Cariuz
17 Gustavo Antonio Dias De Lima
18 Henrique Cardoso Duarte
19 Iuri Martins Nepomuceno
20 João Ricardo Freitas Lages Gomes Alves
21 Jhonnata de Oliveira Silva
22 José Luiz de oliveira Filho
23 Larissa Zepka Baumgarten
24 Leandro Moreira Lopes
25 Leonam de Oliveira Alves
26 Lucas Gutierres Gomes
27 Lucas Martins de Souza
28 Lucas Raphael Ribeiro da Silva
29 Luciana Brito
30 Luis Guilherme Gomes de Macena
31 Luiz Antonio Nunes Pereira
32 Luiz Felipe Cajado Santarem
33 Luiz Felipe Lima e Silva
34 Maiara de Souza Costa
35 Márcio de Albuquerque Silva
36 Matheus Avellar de Barros
37 Matheus Pimentel Gonçalves Coutinho
38 Mayane Coelho da Silva Valetim
39 Mayara Coelho da Silva Valentim
40 Nayara de Oliveira Silva
41 Patrick Minoita Rodrigues
42 Pedro Ivo Salviano Pimenta
43 Pietro Ribeiro Pepe
44 Rafael Carlos Lopes
45 Rafael Silva Alves
46 Raquel Cristina de Sousa Rosa
47 Ricardo Cavalcante da Silva
48 Rozeani Pricila Ferreira de Araujo
49 Tales Marinho São joão
50 Tamyres Lucas Manhães de Souza
51 Tathiana Sanches Tavares Silva
52 Tatiana kugelmeier
53 Thais Castro Madeira
54 Thiago dos Santos Pinheiro
55 Vinícius Guerra Cardoso
56 Ygor Speranza

Localização

Equipe

Coordenação

Marcel Pedroso

 

Comitê Executivo

Ana Maranhão

Andre Gonçalves da Silva Bezerra

Balthazar da Silva

Claudete Queiroz

Cristiano Boccoli

Daniela Muzi

Debora Olviceira

Eliane Pontes

Euclydes Arreguy

Flávia Carvalho

Jefferson Lima

Josue Laguardia

Larissa Cardoso

Leticia Sabbadini

Lidiane

Marcelo Henrique Leoni Rabaço

Marcelo Gomes

Marcelo Simão de Vasconcellos

Marina Ferreira Alves

Michele Camargo

Paulo Abílio Varella Lisboa

Raiza Turinho

Rodrigo Murtinho

Rosilene Oliveira

Vera Fernandes

Wanessa Natividade

 

 

 

 

Comitê Assessor do Centro de Estudos

Cristiane d'Avila e Renata Rezende (Ascom)

Ricardo Antunes Dantas de Oliveira, Fátima Pina e Renata Gracie (Lis)

Lidiane Carvalho e Carlos Eduardo Estellita-Lins (LICTS)

Daniela Muzi e Paulo Lara (VideoSaúde - Distribuidora da Fiocruz)

Jefferson Lima (CTIC)

Igor Sacramento e Janine Cardoso (Laces)

Rosilene Oliveira e Luciana Martins (Comissão de Ensino)

Larissa Cardoso e Marina Ferreira Alves da Silva (Centro de Estudos)

Daniele Souza e Marina Maria (PenseSUS)

Maria de Fátima Martins e Márcia Verônica (Rede de Bibliotecas da Fiocruz)

Renata Rezende e Raíza Tourinho (Representante Discente)

Euclydes Arreguy e Alejandro Guillermo (Rede de Bancos de Leite Humano)

Marcelo de Vasconcellos e Flávia Garcia de Carvalho (Multimeios)

Angelina Pereira e Deise Grigório (Biblioteca de Manguinhos)

 

Desenvolvimento

Pedro Teixeira

Marcelo Henrique Leoni Rabaço

 

Design

Flávia Garcia de Carvalho

Marcelo Simão de Vasconcellos

 

Newsgame do Hackathon

Flávia Garcia de Carvalho

Marcelo Simão de Vasconcellos

 

Vídeo

Daniela Muzi

Paulo Castiglioni Lara

Gislaine Lima - edição

Érika Gouveia - assistente de edição.

Contato

Por favor digite a pegunta